Home Cidades Cadê a faixa que estava aqui?

Cadê a faixa que estava aqui?

SHARE

Moradores e comerciantes dos bairros que são cortados pela Avenida Santana, na região leste de Aparecida de Goiânia, reclamam que as faixas de pedestre que existiam na via sumiram e que, com o movimento de carros e caminhões, a falta do equipamento de segurança tornou a travessia da pista ainda mais perigosa.

“O movimento de veículos aqui na avenida é grande por causa dos polos. E a faixa à vista dos motoristas faz falta, porque antes, quando estava pintada, eles ainda paravam. Agora, sem tinta, eles só param se o pedestre pular na frente do carro”, contou Afonso Neto, que tem uma loja de motopeças em frente ao local onde estava a faixa de pedestre, na Vila Sousa.

O comerciante explica que há cerca de quatro meses a prefeitura recapeou a avenida e que, depois do serviço feito, não voltaram para refazer a sinalização. “Quem mora aqui na região sabe da existência das faixas de pedestre, mas quem está só de passagem não repara na placa vertical e passa direto”, comentou Afonso.

Andando mais um pouco na Avenida Santana, a equipe de reportagem do jornal Diário de Aparecida encontrou mais duas faixas de pedestre apagadas. Um dos pontos onde deveria haver a sinalização horizontal é em frente à praça na Vila Célia Maria. “Eu ando aqui e fico com medo de atravessar a rua sem a faixa”, relatou a dona de casa Maria de Fátima.

Nicélia Rodrigues e Jonas Silva também reclamam. “Eu ando de bengala e tenho que atravessar a rua correndo porque não tem a faixa visível e os carros não param. É bem complicada essa situação”, disse Jonas. “Se com a sinalização a gente quase não consegue passar porque os carros não param, com ela apagada, o risco é maior”, pontuou Nicélia.

Sobre as faixas de pedestre, a Secretaria Executiva de Mobilidade e Trânsito de Aparecida informa que realiza, desde o início de fevereiro, um mutirão para sinalizar todas as vias de Aparecida e que já na próxima semana fará a repintura das faixas de pedestre da Avenida Santana.

Cruzamento perigoso

Há pouco mais de um mês, a reportagem do Diário de Aparecida atendeu a um pedido dos comerciantes do Jardim dos Buritis, que reclamavam também da falta de sinalização. Segundo eles, não há pintura de PARE no asfalto no cruzamento da Avenida Babaçu com a via que sai do viaduto da BR-153/Avenida São Paulo.

Na época, o proprietário de um bar que fica próximo ao cruzamento, João Cairo de Souza, disse que os acidentes só não acontecem mais por sorte dos motoristas, já que a via é linha de ônibus e saída de caminhões das pedreiras, além do tráfego normal de veículos pequenos, como motos e carros.

Na ocasião, a Secretaria Executiva de Mobilidade de Aparecida informou em nota ao jornal que iria promover a sinalização da Avenida Babaçu e das demais vias do Jardim dos Buritis que dão acesso ao Eixo Norte- Sul 1, mas até o presente momento este serviço não foi realizado e os comerciantes pedem novamente providências por parte do poder público.

Em nova nota, o secretário executivo, Luziano da Costa, explica que, devido à chuva, houve um atraso no cronograma, mas que a sinalização do local e demais ruas do Jardim dos Buritis será realizada ainda neste mês de março. (Daniela Ribeiro)