Home Política Vereadores discutem vagas em UTIs

Vereadores discutem vagas em UTIs

SHARE
Leitos de UTIs são oferecidos mediante idade da pessoa, condição financeira, dentre outros fatores

Problema com falta de leitos em Aparecida deve ser amenizado com inauguração do Hospital Municipal

Rafael Freitas

Em sessão na Câmara Municipal de Aparecida de Goiânia na manhã de ontem, vereadores discutiram a situação da área da saúde na cidade. Para eles, o Hospital Municipal, que será inaugurado até dezembro, irá amenizar recorrentes problemas enfrentados pela população.
Durante entrevista, o vereador Manoel Nascimento (DEM) salientou que a falta de UTIs em Aparecida de Goiânia compromete a saúde pública. “A saúde é um tema que precisa ser discutido todos os dias, porque ela está mal em todo o País. Hoje é discutido nesta Casa que, infelizmente, os leitos de UTIs são dados mediante a idade da pessoa, condição financeira, etc.”
“O SUS libera um valor pela UTI, já o plano de saúde paga o dobro ou triplo. Entre escolher por quem paga menos e quem paga mais, o hospital vai preferir quem paga mais”, ponderou o vereador Gleison Flávio (PMDB). Os parlamentares afirmam que a situação irá reverter quando o Hospital Municipal for inaugurado. “Eu acredito que, com a chegada do hospital, esta situação vai melhorar muito. Mas, hoje, se o Ministério Público entrar a fundo na questão da saúde, vai descobrir muitas irregularidades na cidade.”

Busca por UTI
O Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), em Aparecida de Goiânia, recebe diariamente cerca de 40 pessoas em busca de vaga em Unidade Intensiva de Tratamento (UTI) e apoio da Justiça. Desse total, cerca de 15 são idosos, que dependem totalmente do Sistema Único de Saúde (SUS). O descaso é apontado como causa de morte pela falta de vagas, somado a outros problemas na área da saúde pública. No município, a responsabilidade de atenção hospitalar, incluindo UTIs, é uma atribuição estadual e do Ministério da Saúde (MS).
Segundo o promotor Érico de Pina Cabral, o Ministério Público (MP) deve criar uma agenda entre as secretarias estaduais de Regulação de Goiânia, Aparecida e de Anápolis para discutir os problemas de cada cidade. Para ele, uma ação por parte do MP não resolveria de imediato os problemas.

Resposta
De acordo com a Prefeitura de Aparecida de Goiânia, para amenizar esse déficit de leitos de UTI, a administração anterior buscou recursos de R$ 64 milhões para a construção do Hospital Municipal. A obra está praticamente concluída. Foram conseguidos R$ 18 milhões para a compra dos equipamentos hospitalares. A unidade de saúde terá 30 leitos de UTI: 20 para adulto, 10 para pediatria e 60 leitos clínicos. A obra será inaugurada até dezembro, conforme programado.